Menu Principal > Testemunhos



Enquanto Vicka rezava em silêncio, ouvi uma voz: 'Não tenha medo e reze: Nossa Senhora está lhe curando!'
Postado em 24/04/2017, às 18:03:29
 
Testemunho de Benedetto dei Marsi.

Como sempre, quando se retorna a Medjugorje, encontramos os nossos lugares mais belos, mais acolhedores e, como acontece comigo, neste momento, não se ouve nem mesmo o barulho que até a semana passada me ribombava as orelhas, no meu trabalho.

Na realidade, nós mudamos: vemos a vida com mais serenidade, aceitamos as coisas como são, e vemo-la um pouco mais com os olhos de Deus. Serve melhor falar pouco. Lemos tudo pelos nossos olhos, e o nosso olhar fala mais do que mil palavras, e o nosso amor se transmite como um doce perfume.

Foi a terceira vez que estive em Medjugorje, e acreditava que não existisse mais nada a pedir naquele lugar que já não me fosse dado tanto; e, ao contrário, a cada visita me dou conta de que a Misericórdia de Nossa Senhora não tem fim.

Durante a viagem, trouxe um bastão com o qual já há alguns anos ajuda-me a subir as colinas de Santa Maria de Ortona. É um típico bastão de pastores. Sem ele, não teria sido notado entre tantos peregrinos, e no navio e no trem, nos quais várias pessoas vinham me saudar, dizendo terem me visto nas estradas de Medjugorje. Fiz amizade com muitos, sobretudo com aqueles que inicialmente tinham me visto ali. Para estas pessoas, lembro-me de que os primeiros a irem até à gruta, onde nasceu Jesus, foram exatamente eles, os pastores com bastões, de cabelos longos, que batem em nossa casa nos prometendo um lugar no paraíso, onde existe lugares somente para poucos.

É bom vir em peregrinação a Medjugorje, sobretudo quando encontramos pessoas que já vimos e começamos a falar com elas como se já as conhecêssemos desde sempre. Vamos em plena harmonia e nos entendemos, porque falamos a mesma linguagem, aquela da fraternidade, do amor a Deus e o amor Àquela que eu chamo de ‘a Mãe de todas as Mães’.

Lugares e pessoas queridas nesta terra acariciam o meu coração, que está aberto como uma flor que nasce na neve, à espera que o sol volte a pintá-la com a sua cor. Pessoas simples: tantos homens, tantos olhos marejados de lágrimas de alegria que cancelam os traços no rosto de tanto sofrimento. Somos aqueles que confiam na Providência Divina e não a abandonamos, nem mesmo com uma fraca esperança.

Desta vez, Nossa Senhora me deu algo mais, de mais importância e que agora não tenho mais dúvidas; não tenho mais medo, mas somente uma certeza. Às outras vezes em que fui a Medjugorje, tinha medo de me encontrar com algum vidente, e quase evitei que isto acontecesse. Tinha medo que minha razão encontrasse alguma dúvida sobre as aparições de Nossa Senhora. Talvez, eu não estivesse pronto. Ela sabe quando chega o momento para nós.

Tive a graça de encontrar a Vicka e o sinal de que Nossa Senhora estava ali do lado dela. No momento em que Vicka nos falava, tirei fotos e filmei até à hora em que achei que ela tivesse terminado. Quando estava guardando a máquina fotográfica, comecei  a sentir uma sensação indescritível. Olhando para Vicka, vi que ela tinha as mãos juntas e estava recolhida em intensa oração. Senti que estava acontecendo algo de extraordinário comigo. Eu estava um pouco confuso e também receoso. Estava apoiado no meu bastão. Olhei em direção de Vicka e as minhas mãos se tornaram cada vez mais rígidas, e não conseguia mais ficar em pé.
Depois, Vicka, com um doce sorriso, apontando seu dedinho em direção a mim, fez-me um sinal de que eu não deveria ter medo. Eu estava consciente, cheio de paz interior, de tanta serenidade.

Vi-me agachado no chão e respirava ligeiramente. Em seguida, uma voz de mulher me disse: “Não tenha medo e reze, porque Nossa Senhora está lhe curando!”. Chorei: as lágrimas escorriam sobre o rosto frio que lembrava o mármore. Havia tantas pessoas próximas a mim, mas ninguém me convenceu a sair daquele momento. Senti uma leveza indescritível: tinha a sensação de me ver do alto, e parecia uma criança, abraçando aquelas pessoas, como um filho faz com sua mãe, quando precisa de carinho.

Tive a certeza de que algo extraordinário também para este mundo: bastava eu me sintonizar na frequência correta.

Este foi o presente mais belo que Medjugorje poderia fazer por mim. Eu o recebi exatamente enquanto acreditava que o encontro com o Vicka tivesse terminado. Isto me demonstra ainda mais uma vez que não somos nós que decidimos quando e como, que não é a nossa mente que encontra a resposta para todas as perguntas que frequentemente nos fazemos, quando queremos provar a existência de Deus. Nossa Senhora nos concede o Seu amor somente se abrimos os nossos corações, se confiamos Nela, e a cada vez que Lhe demonstramos não termos medo, que não nos impressionamos com a grandeza do Seu Amor, das moções que o Espírito Santo nos manifesta com a Sua vinda. Ele que nos dá sempre uma emoção mais forte.

Queridos amigos, estou aprendendo a rezar com o coração, e no coração coloco cada um de vocês. E todas as vezes que rezo e peço a Nossa Senhora, eu Lhe digo: ‘Mamãe, eu abro o Meu coração a Senhora, esvaziado de todo medo, de toda preocupação e de todo pecado’.

Um forte abraço a todos.

 

Traduzido do italiano por Gabriel Paulino, fundador do Portal 'Medjugorje Brasil', e revisado por Denis Cervinskis, do 'Apostolado Medjugorje Urgente'.

Fonte: http://www.poetixcaso.it/medjugorje/

 
 

Artigo Visto: 1998 - Impresso: 10 - Enviado: 0

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão desde que sempre sejam citados a fonte www.medjugorjeurgente.com.br