Menu Principal > Testemunhos



Fui a Medjugorje com minha namorada e voltei Padre!
Postado em 28/12/2016, às 19:59:54
 
A história de um rapaz que se apaixonou por Deus, em Medjugorje, e se tornou um grande sacerdote na evangelização dos jovens.

Muitas são as pessoas que, em peregrinação a Medjugorje, são tocadas pela graça. Particularmente significativa é a história do Padre Maurizio De Santis, Passionista: história de um rapaz que amava a dança e que escolheu o convento, graças a Nossa Senhora de Medjugorje e a São Gabriele. Os jovens amam ouvi-lo falar de Deus.

Seu sonho agora é realizar um musical sobre São Gabriele da Addolorata, o santo dos jovens que, com Nossa Senhora de Medjugorje, divide o mérito de tê-lo tirado das luzes dos teatros e o levado aos altares. Estamos falando de padre Nick; para os amigos, “Skizzo” que, em grego, significa o “loucamente apaixonado”. Loucamente apaixonado por Deus.

Foi a Medjugorje não como peregrino, mas como namorado de uma moça que viajava para lugares de aparições e lhe dizia: “Venha comigo”, sem saber que com isso deixaria o namoro. Porque aos dezoito anos de idade, Maurício, como por encanto, sente-se afastar do amor pela bela moça e, pouco a pouco, crescia dentro dele um amor sem medida por Deus.

“Em Medjugorje – recorda-se emocionado – aconteceu algo chocante que mudou radicalmente a minha vida. Deus, que antes sentia longe e sem importância, de repente tornou-se “próximo” e toda a minha vida fazia sentido. Tudo o que tinha planejado para a minha vida, até aquele momento, perdeu o significado. A dança, o sucesso, a carreira, a namorada: tudo me deixava indiferente. Estava mudado interiormente. Quase uma doença. Tanto que os amigos que estavam perto de mim só faziam me perguntar se eu estava bem de saúde. Na realidade, eu estava muito bem. Eu tinha encontrado Deus”.

Fale-nos da sua infância

A minha infância? Foi como aquela de tantos rapazes iguais a mim. Na minha cidade, em Serramonacesca, na Província de Pescara, todos me conheciam pela energia e vivacidade. Era, como dizem hoje, um rapaz fora das regras. Um problema para meus pais e também para os meus professores. Não gostava muito de estudar, ficava à vontade apenas nos momentos de lazer.

E a dança?

A paixão explode depois do ensino médio. Não sei o porquê, mas já tinha decidido que esta seria a minha ocupação, mesmo o meu pai dizendo que era coisa de mulher. As escolas eram caras e poucas. Pensava na minha irmã, que era bailarina na Bélgica, pedi para que ela convencesse os meus pais de me matricular em uma escola de dança na cidade de Pescara, pois a escola de dança em Milão era distante.

Depois de Milão… Medjugorje?

Sim. Aconteceu que, tendo descoberto Deus, em Medjugorje, não tinha nenhuma vontade de segui-lo. Estava em crise profunda. De um lado, o meu sonho, e do outro Deus. Fiz o exame de admissão na escola de dança em Milão e fui admitido. Mas não encontrava a paz. Até que meu pároco me convidou para uma peregrinação de jovens ao Santuário de San Gabriel, em Isola del Gran Sasso (Teramo). Eu fui com relutância, e o inacreditável aconteceu. Mesmo agora, não consigo encontrar palavras para descrever o que eu senti. Eu estava na frente de um santo que, como eu, amava a dança: um jovem brilhante, elegante e esportivo, amante da vida. Mas, ele tinha desistido de tudo para seguir a voz de Deus. Se ele não tivesse feito isso, não acho que ele se tornaria o que é: um herói. Eu disse a mim mesmo que, como São Gabriele tinha conseguido, eu poderia conseguir também.

E a partir daquele momento, como foi a sua vida?

Meu pai descarregou em mim toda a sua fúria. Insinuou que os padres tinham feito lavagem cerebral em mim. Tinha 19 anos. Fugi de casa e entrei no seminário.

E a dança?

Já tinha desistido dela como de todo o resto mas, por dentro, sentia o peso. Sabia que a dança era incompatível com a vida religiosa. Alguns frades, incluindo o meu diretor espiritual, não perdiam a oportunidade de me lembrar. Mas, continuei perguntando por que o desejo da dança insistia, se a incompatibilidade era autêntica. O meu Superior Provincial não me permitiu viver por alguns meses em uma comunidade que tem um carisma de evangelizar através da dança, de shows. Naqueles meses, eu fiz uso da dança para anunciar o Evangelho. Agora, na função de Superior, tomo conta da pastoral juvenil vocacional, no Santuário de São Gabriel. Ajudar os jovens a descobrir o plano de Deus neles, e repito que a vocação é dar o melhor de si mesmo para que a vida seja gasta da melhor maneira. Para jovens que se veem no caminho ao sacerdócio, eu acrescento: Deus não precisa de sacerdotes tristes, mas de sacerdotes apaixonados, capazes de testemunhar o amor, com alegria, determinação e entusiasmo.

Fonte: http://medjugorjetuttiigiorni.blogspot.com.br/2014/12/a-medjugorje-cera-andato-con-la-ragazza.html?m=1

 
 

Artigo Visto: 2477 - Impresso: 11 - Enviado: 0

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão desde que sempre sejam citados a fonte www.medjugorjeurgente.com.br